O absurdo da psicose dos parquímetros




A doença infantil em que se está a tornar a colocação de caça niqueis em todas as esquinas começa a dar sinais de epidemia incontrolável. Neste ano eleitoral o autarca de Cascais e também vice-presidente do PSD está numa azáfama brutal. Leva tudo à frente. Parece um buldozer. 

À velocidade com que está a colocar cimento, cascalho, tijolo e alcatrão por todo o concelho, tornando-o intransitável... em nome da melhoria da rede viária, barrando o caminho aos automobilistas que querem entrar e sair do concelho. 

Até aqueles que conhecem razoavelmente bem os caminhos, atalhos e vias alternativas, perante a ausência de informação atempada do fecho das estradas, mais parecem umas baratas tontas para conseguir chegar ao seu destino tal a densidade dos entupimentos que a doença epidémica está a provocar, lesando os automobilistas com mais tempo de viagem e maior consumo de combustível.



Depois do foco nacional em que se transformou a esfaltagem da Quinta da Carreira para a construção de mais um parque de estacionamento em linha de água e em solo da Reserva Ecológica Nacional eis que, à socapa e pela calada, iniciaram no dia 2 de Maio a construção de mais um parqueamento no Bairro do Junqueiro, igualmente ferido dos mesmos vícios do anterior: em linha de água, sem informação aos moradores, colocando-se ostensivamente acima da lei, como documentam as imagens. 

O distinto munícipe prof. Marcelo comentou hoje, em breve passagem por um torneio de ténis - o qual acelerou a passada para se postar ao seu lado para o "boneco", claro está, bruxo é - que o Carreiras consegue ser "mais enérgico" do que ele próprio. 

Ter-lhe-à segredado, por acaso, que aquela cena de todas as praias do concelho terem perdido numa assentada este ano a bandeira azul constitui uma péssima imagem e receitas do sector do turismo? 

Esperemos poder ficar todos mais esclarecidos no próximo dia 1 de Outubro acerca do resultado desta absurda psicose de andar a espalhar betão e alcatrão por todo o lado. Enquanto os munícipes protestam, levam na cara e se queixam na Procuradoria-Geral da República contra os desmandos antidemocráticos em curso.


* Ex-jornalista em "O Século", "O Dia", "Correio da Manhã", "O Semanário", "Lusa", Agência "Noticias de Portugal", "RDP Internacional" e ex- assessor de Comunicação na Câmara Municipal de Oeiras e CP


1 comentário:

  1. É pá, não comento em causa própria. Munícipes abram a pestana.

    ResponderEliminar